sexta-feira, 7 de julho de 2017

Eu sou daquelas pessoas que acreditam que sair da zona de conforto sempre vai gerar algum tipo de sofrimento. Sempre comento com Yuri e Gui em como fico admirada com Vitória por ela sempre se jogar em fazer coisas novas: se alguém oferece a ela uma comida que ela nunca comeu, ela não pensa duas vezes antes de provar e ainda acaba gostando. Se alguém chama ela pra fazer algo que nunca fez, ir em algum lugar que ela nunca foi... ela na verdade parece estar constantemente buscando se colocar em situações assim. Outro dia eu tava no Pedrão com Marié e Deca e ela reclamou justamente do oposto: Deca sempre quer fazer o que já fez, o que já conhece, o que já gosta... ele adota uma estratégia mais segura, o que também é o meu caso. Já reclamaram de mim porque quando eu saía sempre comia as mesmas coisas e eu dizia "vou arriscar meu dinheiro comprando algo que talvez não goste, sendo que já sei exatamente o que gosto?" e foi algo desse tipo que Deca respondeu pra Marié naquele dia. O meu pai detestava fazer coisas novas. Todos os dias ele ia pra UFRN pelo mesmo caminho, sempre comprava no mesmo supermercado, fazia as mesmas rotas, entrava em contato com as mesmas pessoas. Uma das coisas que mais estressava meu pai era que eu pedisse pra ele me levar em algum lugar em que ele não conhecia, como da vez que eu levei príncipe Lulu no dentista canino da São José e tive que aprender o caminho bem direitinho pra explicar pra ele, mas mesmo assim ele ainda olhou umas mil vezes no google maps. O máximo de manjar dos paranauês dele era ali pela Campos Sales, porque ele morava lá quando era jovem (coincidentemente, é a rua paralela a Prudente, a rua que vou morar). Eu fiquei muito parecida com ele nesse quesito, e talvez todos aqui de casa. Mesmo minha mãe, que fugiu de casa com 14 anos e nunca mais voltou, convivendo com ele começou a se aterrorizar com mudanças. É difícil medir o quanto algumas coisas são genéticas quando você não tem, de jeito nenhum, como separar do ambiente.

Hoje foi um dia foda. Fiz um milhão de coisas. No final do dia minha cabeça parecia que ia explodir não importava o que eu fizesse. Acabei tomando remédio depois de dormir algumas horas e acordar do mesmo jeito. Ontem fui dormir na casa de Yuri e como ele ia-se embora pra Europa hoje, foi extremely hard colocar ele pra dormir, o que só aconteceu lá pelas 4h. Ele ficou o tempo todo balançando os pezinhos e me acordando puxando assunto e querendo dar scroll no maldito 9gag, até que perguntou se eu queria ver um ep de Cowboy Bebop e mesmo já tendo visto tudo resolvi assisti de novo (de olhos fechados, claro) com ele pra ver se ele se acalmava, aí ele dormiu como uma criança pequena dorme no carro balançando ou assistindo Peppa pig enquanto toma mamadeira. Hoje a vó dele tava de um lado pro outro falando no telefone e querendo arrumar as últimas coisas da viagem e a gente teve que acordar umas 10h e ele não tinha nem feito a mala, é claro. Senti um pouco de compaixão por ela por saber o quanto a mania de deixar tudo pra última hora dele é irritante, mas um pouco de prazer também por saber que ela podia dar uma oprimida nele pra ele deixar de ser relaxado hehe. Acabei vazando logo cedo pra não atrapalhar levando meu kunk e meu pedal e fui lá pro centro resolver as coisas da casa nova. Quando ele voltar, tudo vai estar completamente diferente e acho isso 100% bem loco.

Eu e Vanny fomos na Rio Branco procurar meus móveis e acabei achando um guarda roupa legal e uma cama com um preço bom (de casal.. <3). Uma das primeiras primeiras (!!) coisas que percebi foi que

MEU DEUS DO CÉU VANNY É A EPÍTOME DA BAGUNÇA 

Eu cheguei naquele apartamentinho lindo e recém construído, cheio de frescura e frufru, senha elevador vaga na garagem varanda piscina vários ambiente etc mas Vanny faz parecer que é um lixão a céu fechado (porque ela não abre nenhuma janela pro gato dela não pular aaaa). Quando eu desci do elevador, no começo do corredor, eu já senti o fedor da caixa de areia do gato. Ahuaha é impressionante em como ela consegue deixar tudo o mais sujo e bagunçado possível e imaginável (na verdade de um jeito que eu não era capaz de imaginar, até ver hoje), a gente entrou no meu futuro quarto e ele tava vazio? Não. Cheio de tralha espalhada, e ela ainda disse "se você tiver sentindo um cheiro ruim, é porque Billy mijou aqui mas eu não sei aonde" e eu pensei "berro" aí ela achou que foi em cima de um plástico no chão e falou ah sim, foi ali. Aí virou as costas e foi embora e nem fez menção de que um dia iria catar e botar no lixo AAAA!!!! Eu tive vários ataques cardíacos com a minha mania de limpeza absurda herdada-ensinada pela minha mãe (que por um acaso é virginiana, e tem essa parada de que é o signo da limpeza, por um acaso hehe). A ração do gato tava espalhada no chão no corredor, o banheiro dela eu não soube o que dizer só sentir, a cama dela no chão sem lençol até hoje (outro berro), tudo espalhado pelo chão, tanto o lixo quanto as coisas que ela vai usar, sem a menor distinção, como um socialismo utópico dos bens materiais (socoro). Quem chega lá deduz imediatamente que ela se mudou ontem, sendo que faz tipo 4 meses ahuah. 

Eu, como sempre, fui um jegue e comprei um guarda roupa grande demais pra colocar na parede que eu queria assim como fiz nesse quarto aqui de casa e agora NÃO VAI FICAR TUDO PERFEITO DO JEITO QUE EU QUERO! eu pensei. Sendo que depois pensei "por que me importo tanto com a aparência quando o que importa é a função?" E aí viajei muito nisso, vou tratar mais lá na frente. 

Quero aproveitar esse momento pra resumir os pontos principais já que tenho que dormir e só quero lembrar algum dia mesmo então
Pontos positivos felizes:
1) No centro tem vários pontos com pessoas vendendo frutas da estação/regionais! Vi um monte de caju, acerola, pinha e feijão verde pelas ruas e isso iluminou meu coração vegan
2) No centro o sacolão as coisas costumam ser mais baratas e o Alecrim fica a um pulo! Isso vai ser ótimo porque eu decidi ser uma pessoa crafty DIY handworker e vou passear bastante por lá e aprender as manhas de viver uma vida barata
3) O pai de Vanny tem uma lanchonete e ninguém vai morrer de fome comendo várias torrada e sanduíche sem carne
4) Nordestão a um passo também. Não vou precisar de carro not ever. Todos os médicos/dentistas/vet mais perto
5) Vanny me trata com um respeito que minha família talvez não saiba que existe.
6) Pela primeira vez na existência, eu vou ter um banheiro só meu... aqui em casa divido com 4 pessoas e é realmente terrível especialmente quando minha mãe tranca o dela pra ninguém usar
7) No prédio tem elevador, treino funcional e coisas fancy
8) Nunca mais vou acordar com grito, ouvir grito, ser tratada feito bosta, me estressar, não ter silêncio paz respeito e esse tipo de coisa que é o segredo da vida bem sucedida
9) Vou aprender a dançar funk e fazer twerk KKKKK
10) As paradas de ônibus são bem pertinho, festas na Ribeira de Uber por apenas 10 conto
11) Cama de casal. Finalmente vou poder dormir com Yuri no meu canto (já que ele tem cama de casal, mas não é a minha casa) sem ter que ficar me equilibrando na ponta da cama aleluia saravá axé namastê amém
12) Se tiver algo pra fazer na UF logo cedo ou imediatamente posso ficar na casa do bb
Pontos negativos horríveis:
1) Ficar longe da UF, não poder mais pegar o 54a, obrigatoriamente ter que pegar o circular :(
2) Sair de Ponta Negra, bairro do meu >core< e único lugar que eu realmente conheço na cidade KKKK
3) Na hora do rush tô lascada, ter que acordar muito mais cedo pra poder chegar nos lugares pontualmente
4) Ter que passar o pano no chão. Passar o pano eu te odeio. 
5) Ter que gastar com coisas tipo tupperware, lixo, cesto de roupa suja, lençóis :\
6) Não poder mais ver Yuri todo dia porque não seremos mais vizinhos de bairro
7) Ter que ficar trancada num espaço minúsculo com a caixinha de areia de Logan. Vai ser osso porque aqui eu boto ela lá fora e não gosto de jeito nenhum de deixar dentro de casa, é horrível 
8) Se os gatos não se derem bem
9) Adeus minha academia maravilhosa de rico Top Gym fitness. Era um saco mas ao mesmo tempo eu amava porque era muito chique. Pelo menos eles devolvem uma parte do dinheiro hehe
10) Vanny muito bagunceira até quando vou aguentar? Só o tempo dirá
11) Não ser mais rica esbanjadora, sem ar condicionado e edredom, coisas free, sem mãe arrumando a casa, ter dinheiro de sobra (agora vou ter que ter juntar grana pra emergência)

Fiquei cansada agora mas amanhã tem mais porque estou obcecada por esse assunto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário