sexta-feira, 28 de outubro de 2016

20/08



Gui, eu nao gosto de esculhambar ninguém, mas eu vejo sim. eu vejo os defeitos nos outros, os problemas, mas eu prefiro não dizer, pq o que adianta dizer? as pessoas vão se ofender e não vão ouvir. eu gosto de ver e aceitar, ver e entender, ver e gostar mesmo assim... entende?

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

In the future

[julho/16 e parece só um filme do qual conheço detalhes demais...]

Sometimes i'm talking to you, about your life, and i'm sure we're gonna be good friends one day.

Sometimes when we hang out and kiss, i'm certain that i wanna marry you.

Sometimes you tell me some stories that make me wanna run away from you

But there's also something that darkens my mind.

Will one day I look behind and see you with regret?

Will one day I feel sorry that your body has ever been inside of mine?

Will one day I think "I should have listened to the countless times that people told me "you are too pretty for him, too good for him"

Will one day I despise you?

Regret every minute that i've spent taking good care of you with my heart on?

Or that i've ever listened to your stories

or the days we were involved and so happy, will i feel disgust to remember them?

will i feel disgust with our joy? from your hands? from your cock? will i be able to see a bunch of flaws in you?

will i be sorry to say your name or will i be ashamed that we've ever dated?

will i see you online and feel indifference?


And how about everything that I felt? It's all dust in the wind, isn't it? Are you gonna be that one person to whom i felt something so strong that i'll never forget? or you just gonna be like everybody else that i easily forgot and threw away?

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

16/10/16

"Quer ver uma mágica?
Escolhe duas cartas. Você pegou dois oitos, um de espadas e um de paus. Agora segura elas duas na sua mão, bem na pontinha. O oito de paus tá em cima, o de espadas embaixo. Vou trocar eles de lugar, tá certo? Troquei. Você percebeu? Não? Então tá. Vou trocar de novo as cartas de lugar. Sentiu? Não? Então agora vira. 



Você entendeu? O rei e a rainha de copas, a gente..."

Ah, Yuri...

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Closure...

Heal myself - a feather on my heart
Look inside - there never was a start
Peel myself - dispose of severed skin
All subsides - around me and within
There's nothing painful in this
There's no upheaval
Redemption for my pathos
All sins undone
Awaiting word on what's to come
In helpless prayers a hope lives on
As I've come clean I've forgotten what I promised
In the rays of the sun I am longing for the darkness

https://www.youtube.com/watch?v=DJzvWSEBaBs

quarta-feira, 12 de outubro de 2016



Vows are spoken
To be broken
Feelings are intense
Words are trivial
Pleasures remain
So does the pain
Words are meaningless
And forgettable
Don't you understand, oh my little girl
All I ever wanted
All I ever needed
Is here, in my arms
Words are very unnecessary
They can only do harm...

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Hoje eu tava conversando com meu sobrinho

eu: posso te contar um segredo?
Lucas: pode me contar titia. Lembra que você me contou um segredo e disse pra eu não contar pro vovô? Ele já morreu e eu nem contei!

Pai, eu sempre quis te jogar na cara um dia tudo o que você me fez sofrer. Eu queria que você soubesse o quanto de problema que você me causou. O quanto eu sentia medo de você. O quanto a ausência do seu apoio, carinho e segurança me fez fraca, carente, vulnerável, desamparada. Eu nasci rebelde e você conseguiu me dobrar. Você conseguiu me fazer submissa, conseguiu fazer eu aceitar os maiores desaforos em silêncio e de cabeça baixa. Você me machucou profundamente na fase mais frágil da minha vida, na minha infância. Tantas vezes pensei em quem eu poderia ser longe de você. Se você fosse bom comigo. O quanto eu poderia ser confiante e segura e sem um lado negro dentro de mim. Porque você enegreceu meu coração, me fez raivosa e agressiva, um espelho de você. Você me fazia ser tão má quanto você só de estar perto de mim, contaminada com sua energia repressiva, opressiva, agressiva, vil, imatura, inconstante... eu costumava viver com tanta raiva e medo, ressentimento... mas se eu te contasse, você iria dar um jeito de culpar a mim, e não a você. Porque a culpa de tudo nunca era sua, em absolutamente nenhuma situação. Quando a gente discutia com você e você via que tava errado e ia perder, simplesmente nos mandava calar a boca. Sim, porque era você quem mandava aqui, pai, e nós éramos o quê? Como você dizia, meros parasitas. Dependentes, fracos, incapazes de sobreviver por conta própria. Você iria se importar se soubesse? Se você entendesse de verdade, você iria se compadecer de mim? Você iria enxergar em mim a criança ferida que você provavelmente foi? E se você ficasse com pena, se você me pedisse perdão, de que iria adiantar? O passado não iria voltar para que nós o vivêssemos de novo. No fim das contas eu continuaria sendo eu, sendo o que eu sou, sendo o que aquelas coisas me moldaram pra ser. O que eu queria eu acho era descontar, era te fazer sofrer. Era sair da minha posição de impotente, de braços atados, de submissa, pra ser a sádica, pra ser a infligidora da dor. Eu queria me vingar, queria que eu também tivesse potencial pra te fazer mal. E pra quê? O que diabos eu iria ganhar com isso?

É pai, eu sempre costumo pensar que você me deu dois presentes. Um em vida - nunca deixou que eu me apegasse demais nem me aproximasse demais de você. Assim você evitou que eu sentisse sua falta e enlouquecesse ou lamentasse tão profundamente a sua morte. O outro, na morte - você me mostrou que o relógio tá contando o tempo regressivamente e que eu não sou eterna e preciso aproveitar o que tenho agora. Eu sempre achei que queria que você morresse. Mas quando eu te vi morto, eu percebi que não queria que você tivesse morrido. É errado admitir que é muito mais fácil viver sem você? Ninguém nunca conseguiria aceitar isso. Você era meu pai, porra, e eu lembro tanto de você limpando minha bunda e fazendo teatro de bonequinhos quanto lembro de você tentando derrubar a porta do banheiro com uma faca na mão ameaçando minha mãe que tava trancada lá dentro, enquanto eu assistia tudo chorando e você cinicamente me ignorava. E eu nem sei o que sentir. Mas eu me saí bem, pai. Eu consegui não virar um monstro, eu consegui me distanciar de ser o que você era, de seguir seus passos. E eu vou continuar me reestabelecendo pra ser quem eu quero ser, ainda mais agora que você não tá aqui. E eu vou ser a melhor pessoa que conheço, e tudo de ruim que você fazia eu farei o oposto. Como sempre. Hoje faz 3 meses que você morreu. E a gente consegue levar. Os vermes... e eu te perdoei ainda por cima. Depois de tudo. E eu me sinto bem, me sinto bonita por dentro. Porque se eu fui capaz de perdoar você, eu sou capaz de perdoar até Lúcifer em pessoa se ele me aparecer. Um perdão que infelizmente só chegou depois que sua vida se apagou. Mas que aconteceu. Vamos ver o que eu vou pensar disso tudo daqui a mais meses. Se esse misto de pavor e gratidão vai se transformar em algo mais concreto. Se eu vou tomar um posicionamento finalmente, se vou parar de ter pesadelos com você...

Daddy's flown across the ocean
Leaving just a memory
A snapshot in the family album
Daddy, what else did you leave for me?
Daddy, what'd you leave behind for me!?
All in all is just a brick in the Wall...



domingo, 9 de outubro de 2016

Turn the page

Tudo na vida acaba, tudo na vida tem uma última vez. E como eu jamais poderia imaginar algum tempo atrás, hoje, dia 9/10, escrevo pra você pela última vez, Nathan. Porque em certas coisas eu preciso colocar pontos finais, ao invés de deixar sem pontuar ou colocar apenas reticências. 


Eu não vou fazer mal pra você. 
Eu quis esperar algum tempo pra que você pudesse sentir 1/5 do que sofri todas as vezes que você me largou sem mais nem menos. 
Mas eu não vou te caçar, não vou me vingar e nem tentar fazer você sofrer mais de nenhuma forma. Primeiro, por mim. Porque eu teria que ficar pensando, remoendo, me lembrando de você. Calculando meus passos, me estressando, me esforçando, tendo custos. Porque isso iria deixar Yuri chateado. Mas por outro lado, também é por você. É porque se você é alguém que acorda as cinco da manhã pra fazer comida pra alguém só pra enganar e manipular aquela pessoa, você tá muito de parabéns e deve estar na hora de largar engenharia e virar ator ou estelionatário profissional. Não... não foi tudo mentira, eu sei disso. Porque eu vi você se esforçar, eu vi você olhar nos meus olhos com sinceridade. Tudo bem, você é manipulador e isso é verdade. Mas ninguém consegue viver num papel o tempo todo. Só sendo muito doente e esse não é o seu caso. Você fez muito por mim e teve custos por isso, e eu sei que não foi tudo um grande golpe muito bem orquestrado pra massegear seu ego. Isso soa até um pouco ridículo, se a  gente levar em consideração tudo o que vivemos. Eu te vi se declarar por mim do fundo do seu coração algumas vezes, e eu também vi todas as incertezas que você sentia ao meu respeito. Você não fez por mal, mas fez algumas coisas más pra se proteger. Eu entendo você. Eu estava mais na sua do que você na minha e esse era um risco que eu corria o tempo todo, e que eu deliberadamente resolvi assumir. E no fundo tudo bem. Você me fez sofrer, mas tudo bem. Na vida não se pode ganhar todas. Pra que ganhar? Pra que me vingar? Pra sair por cima, pra ser quem faz sofrer, ao invés de quem sofreu? Bullshit. Perdi essa. Você venceu. Mas o que saímos ganhando? Espero que algo. Eu ganhei desconfiança e maturidade. Mas fui feliz e eu espero que você também, e como você disse, não tenho arrependimentos, de verdade, dos tempos ruins e bons. E que você seja daqui pra frente também. É tudo passado, don't worry baby. Não importa mais... eu já perdoei a mim e a você e espero que um dia você também faça isso. 

RIP

domingo, 2 de outubro de 2016

Você acabou de me mandar uma mensagem no whatsapp escrito "carry me home" do nada. 
Antes de você chegar hoje eu tava conversando com Vitória sobre gostar de várias pessoas ao mesmo tempo. Que quando eu tinha vários ficantes eu gostava de algo em cada um e o meu maior pesadelo era que um deles me exigisse exclusividade. E ela disse que sente algo parecido com as pessoas com quem ela fica. Que ela gosta de todos... o que você diria se eu te perguntasse se isso é possível? Acho que você ia dizer que "não bota fé não". Haha... mas talvez eu bote. Porque é fácil começar a gostar de você, ainda que eu pense em outra pessoa de vez em quando...
Eu já tenho tantas coisas pra agradecer. Se não fosse por você seria muito mais difícil enfrentar agora.
E eu nem sei o que te fiz pra você pensar que eu valho a pena tanta coisa. Tantas vezes eu deixei você falando só, marquei de sair com você bêbada e desmarquei em cima da hora, que eu te troquei pelos meus amigos, e mesmo assim você teve paciência... eu lembro que quando Nathan me largou você se ofereceu pra ficar comigo "cuddling", disse que era um bom ombro... com todo esse investimento você me faz sentir como se eu tivesse algum valor de novo. Com você desviando do caminho pra me dar uma carona pra eu encontrar com minhas amigas num rolé que você nem vai, comprando docinho pra mim toda vez que tô com você, aceitando prontamente toda vez que eu te chamo pra qualquer coisa.
Você é lindo... eu deveria ter bebido mais, pra ter dito isso todas as vezes que eu senti vontade de dizer hoje. Às vezes é uma merda ser tão tímida. Você canta tão bem, você é lindo quando tenta me impressionar tocando violão e beijando ao mesmo tempo, você é lindo colocando meus dedos nas casas e cordas certas, você é lindo tenso porque o filme é sobre pacto, você tem um corpo muito bonito, você é lindo quando é dominador sem nem saber que essa é a minha vibe... você é tão lindo que hoje quando a gente tava indo embora Érica me abraçou pra falar discretamente "amiga, ele é gato fdd viu" haha, é mesmo.
Tem dias que eu já sinto falta de te abraçar. Eu sou muito carente, não tem jeito. Me prometi que ficaria sozinha dessa vez mas não consigo. Porque eu fiquei tão melhor depois daquele dia que você passou horas me abraçando. Porque é tão melhor poder deitar num ombro largo e receber carinho de mãos fortes. Tudo fica mais fácil com o calor de outra pessoa. Porque é tão melhor esquecer as bads assim...