quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Eu nunca cativo ninguém

Sempre reparei na minha enorme (in)capacidade de cativar as pessoas.

Quando entrei na faculdade, as pessoas não se conheciam. No entanto, conseguiram se dividir em pequenos grupos nos quais conseguiram formar laços de amizade. Essas pessoas saem juntas, conversam sobre a vida umas das outras. Se ajudam. Provavelmente partilham conselhos e segredos. Eu não sei, pois não possuo um grupo, nem mesmo pequeno. Nem mesmo um grupo composto por mim e outra pessoa: eu não fiz amigos lá.

Quando entrei na auto-escola, as pessoas não se conheciam. Estou lá há três meses e o professor ainda não sabe o meu nome e finge que não existo. Mas as meninas que entraram semana passada brincam com ele e ele sabe o nome delas.

Quando entrei na base de pesquisa, até tentei fazer amigos. Mas acho que ninguém gostou muito de mim.

Muitas vezes vejo minhas amigas com outras amigas que em muito menos tempo que se conhecem, em comparação com o tempo que me conhecem, tanto se dão bem.

Eu nunca cativo ninguém.

Não consigo chegar rapidamente no coração das pessoas. Nunca fui a namorada mais especial de nenhum dos meus namorados. Nunca fui a paixão de ninguém. Nunca fui o personagem principal na vida de ninguém, mesmo que por um momento.

Muitas pessoas me viram as costas facilmente. Elas esquecem de mim.
Como se eu não fosse importante, sabe? (Eu não faço a menor falta)
Talvez eu não fale a coisa certa.
Talvez não seja engraçada.
Talvez seja muito baixo astral.
Talvez seja porque não tenho outros amigos para apresentar pra elas.
Talvez seja porque não posso dar e arranjar caronas.
Talvez seja porque elas marcam alguma coisa e não me esforço pra ir.
Talvez seja porque eu não sou uma pessoa marcante.
Talvez eu não seja legal o suficiente.
Talvez seja porque não sou simpática e nunca conquistei as pessoas com sorrisos.
Talvez eu não saiba de que forma conquistei as poucas pessoas que consegui.
Talvez eu até mesmo nunca tenha conquistado ninguém.



Sem rascunho

Engraçado a vontade que as pessoas tem de que a opinião delas seja ouvida.

Quero dizer, pelo menos eu como pessoa gostaria que a minha opinião fosse ouvida.

Eu costumo imaginar alguma situação em que as pessoas perguntam minha opinião. Na sala de aula, numa conversa em grupo. Penso em pessoas importantes pra mim ouvindo as minhas respostas e talvez depois vindo comentar comigo sobre elas.

Como eu gostaria que alguém quisesse saber das minhas opiniões sobre as coisas.

Uma vez eu imaginei alguém me perguntando o que era amor. Eu já imaginei várias respostas diferentes pra essa questão, mas nenhuma definitiva. Uma vez eu imaginei alguém me perguntando qual era a forma mais preciosa de amor. Não tive dúvidas: é a compaixão.

Eu costumo imaginar as pessoas querendo saber minha opinião sobre as coisas. Talvez eu seja um pouco solitária...